Posted in:

Contabilidade financeira: entenda o que é e suas características

Contabilidade financeira, Mão de um homem segurando uma caneta e escrevendo em gráficos

Um dos mais importantes aspectos para a administração de uma empresa é a contabilidade financeira.

E você sabe exatamente o que é isso?

Algumas pessoas acreditam que é possível empreender e gerenciar uma empresa sem conhecer um pouco sobre essa área – e utilizá-la corretamente.

Outras acreditam que a contabilidade financeira compreende apenas planilhas, números e dados que devem ser informados para o governo e outras partes interessadas.

Mais do que uma ferramenta para cumprir obrigações legais – que, quando negligenciadas, podem gerar uma enorme dor de cabeça para as organizações –, ela é fundamental para a gestão estratégica.

A contabilidade financeira avalia todas as variações quantitativas e qualitativas que ocorrem no patrimônio da empresa, traz informações relevantes para o controle de operações, facilita o planejamento e, consequentemente, é um importante suporte para a tomada de decisões.

Para quem não é da área, a linguagem pode ser de difícil compreensão, mas, ao mesmo tempo, não é um bicho de sete cabeças. E é exatamente isso que este artigo busca esclarecer.

Vamos explicar as características e os principais relatórios da contabilidade financeira.

Boa leitura!

O que é contabilidade financeira?

Planilhas e um notebook em cima de uma mesa.
O que é contabilidade financeira?

A contabilidade financeira é uma ramificação da contabilidade que busca, principalmente, recolher e processar todos os dados financeiros e contábeis de uma empresa – o que inclui faturamentos, despesas, patrimônio, investimentos, entre outros.

Dessa forma, ela atua como uma ferramenta não apenas administrativa, mas também estratégica, já que fornece informações relevantes sobre a companhia aos proprietários, acionistas, gestores, investidores e possíveis parceiros.

Além disso, ela monitora todas as variações do patrimônio da empresa desde a sua formação.

Dados que são essenciais para que o gestor possa acompanhar de forma mais concreta e assertiva a evolução da saúde financeira do negócio.

Mas, mais do que isso, a contabilidade financeira é realizada tendo como foco os stakeholders externos.

Ou seja, ela busca apresentar informações sólidas e concretas sobre a empresa para os agentes que atuam fora da organização, mas têm interesse nela, como é o caso de investidores e acionistas.

Por esse motivo, ela está diretamente ligada a requisitos fiscais e imposições legais do país.

É um ramo contábil que recolhe e analisa informações ao longo de um período específico, seguindo padrões e normas legais.

Isso permite a coleta de dados contábeis transparentes e confiáveis, além da realização de comparações sobre o posicionamento financeiro, a rentabilidade e o desempenho da empresa de uma maneira mais clara e objetiva.

Diferenças entre a contabilidade financeira e a contabilidade gerencial

A principal diferença entre a contabilidade financeira e a gerencial está na forma como elas são realizadas, já que uma foca nos usuários internos e a outra nos externos.

Enquanto a financeira é elaborada para o conhecimento e a avaliação dos usuários externos da empresa, os dados e informações disponibilizados pela contabilidade gerencial são utilizados de forma interna, pelos gestores da empresa.

Nesse sentido, podemos dizer que a contabilidade financeira agrupa valores e dados em documentos que seguem princípios e normas com base na legislação brasileira, no caso – para avaliação e elaboração, como o balanço patrimonial.

No caso da contabilidade gerencial, todo o foco da documentação é voltado para o planejamento e o controle do uso dos recursos da empresa.

Assim, tem como base informações e valores da contabilidade financeira para realizar a interpretação dos dados para uma tomada de decisão administrativa.

Ou seja, enquanto a contabilidade gerencial consiste na transformação de demonstrações contábeis em informações e análises gerenciais para a tomada de decisões, a contabilidade financeira é o resultado de uma necessidade da organização.

Isso porque ela disponibiliza dados essenciais para a empresa, como seus custos de produção, gastos e despesas das áreas, receitas e recebimentos, patrimônio etc.

Portanto, é a área que registra os custos e as receitas em tempo real, demonstrando a situação financeira atual da empresa.

Além disso, a contabilidade financeira tem como base dados históricos, enquanto a gerencial exibe uma ênfase maior no futuro para apoiar a tomada de decisões dentro da empresa.

Outra grande diferença entre as duas é que a contabilidade financeira deve ser divulgada (por meio de publicidade legal em veículos de comunicação, por exemplo), uma ação legal obrigatória para a futura realização de auditorias.

Na gerencial, não há necessidade de veiculação, uma vez que ela é realizada apenas para uso interno da organização.

Finalmente, a contabilidade financeira traz informações somente monetárias da organização, enquanto que a gerencial apresenta também dados não monetários, como quantidade de matéria-prima utilizada ou vendida, número de funcionários etc.

Diferenças entre a contabilidade financeira e a contabilidade comercial

Já no caso da contabilidade comercial, a principal diferença está no fato de ela ser voltada especificamente para o controle de empresas comerciais.

Ou seja, é um ramo mais específico da contabilidade que atua diretamente no registro de fatos administrativos, medindo o patrimônio comercial – conjunto de bens, direitos e obrigações – que são decorrentes da gestão de empresas atacadistas ou varejistas.

Nesse sentido, ela atua para oferecer informações sobre composição e variações.

A contabilidade financeira, por outro lado, é mais abrangente e é aplicada em empresas e organizações dos mais diversos segmentos e tamanhos.

Qual é o objetivo da contabilidade financeira?

contabilidade financeira, homem trabalhando em um notebook
Qual é o objetivo da contabilidade financeira?

Um dos principais objetivos da contabilidade financeira é cumprir com as obrigatoriedades legais relacionadas à empresa.

Quando uma empresa opera sem contabilidade financeira, é possível que enfrente grandes problemas futuramente.

Além de questões legais, a contabilidade financeira tem o objetivo de prezar pela análise dos dados anteriores do negócio, incluindo o seu histórico financeiro.

Tudo para conseguir estabelecer uma linha do tempo da saúde financeira da companhia e a sua atual situação.

Isso permite um repasse mais seguro e concreto sobre as finanças da empresa para todos os seus agentes externos.

A contabilidade financeira também tem como objetivo estudar o patrimônio das organizações, sendo conceituada como fundamental na linguagem de negócios.

Dessa forma, ela reúne e analisa dados, e, com isso, consegue fazer comparativos mais assertivos e relevantes.

Os princípios da contabilidade financeira

contabilidade financeira, dedo de um homem tocando a palavra accounting
Os princípios da contabilidade financeira

Como vimos anteriormente, a contabilidade financeira busca trazer uma visão real da saúde financeira de uma empresa.

Para chegar a esse resultado, ela realiza a elaboração das demonstrações financeiras, observa os princípios contábeis, apura os custos das vendas, avalia o passado, utiliza padrões e foca, principalmente, na análise financeira das informações da empresa.

Nesse sentido, para trazer uma análise apurada e segura, a contabilidade financeira possui três documentos ou relatórios principais.

É sobre eles que falaremos a seguir.

Balanço Patrimonial (BP)

Essencial para o controle de todos os custos e o acompanhamento da situação patrimonial da empresa, o Balanço Patrimonial (BP) apresenta todos os ativos (bens e direitos) e passivos (dívidas e deveres) da organização.

Por meio dele, é possível ter uma visão mais consolidada da evolução da organização no período analisado, além de entender se o seu patrimônio acumulado está crescendo ou diminuindo.

Devido a isso, muitos comparam o BP à um raio-x financeiro da empresa.

Isso acontece porque o instrumento possibilita entender como a organização está em termos econômicos, onde e como os recursos gerados foram aplicados.

Também demonstra a sua capacidade de produzir caixa, de liquidação, a rotação de estoques, seu endividamento ou lucratividade, entre outros dados.

Mas, para isso, ao elaborar um balanço patrimonial o contador ou a equipe responsável por ele devem organizá-lo da seguinte forma:

  • Primeiramente, é realizado o registro dos fatos contábeis – todas as movimentações e alterações que envolvem bens, direitos e obrigações da empresa
  • Em seguida, o contador deve fazer a escrituração desses dados no livro diário
  • Após essa etapa, todos os registros contábeis devem seguir os preceitos contábeis levando em conta o regime de competência, que é um dado muito importante para o fluxo de caixa
  • Finalmente, é preciso agrupar as contas pela sua liquidez. Ou seja, as mais líquidas – que se transformam mais rapidamente em dinheiro – aparecem na parte de cima do balanço
  • À medida que elas ficam menos líquidas, elas são colocadas na parte mais inferior do documento.

Com isso, é possível ter uma visão ampliada do patrimônio e outra mais detalhada dos recursos da empresa, assim como dados de outras fontes e da aplicação de recursos.

Demonstração de Resultado de Exercício (DRE)

Também conhecido como DRE, o Demonstrativo de Resultado de Exercício, é outro documento extremamente essencial na contabilidade financeira.

É ele que sintetiza de forma mais completa e direta todas as atividades da empresa, sejam elas operacionais ou não operacionais, no período específico, apresentando se houve lucro ou prejuízo.

Normalmente, esse documento é elaborado após o período de um ano, principalmente devido às obrigações legais de divulgação.

Muitas empresas, porém, produzem o DRE mensalmente para fins gerenciais, por ele ser uma ferramenta bastante útil para analisar o resultado da organização.

Isso permite aos gestores ter uma visão mais concreta da situação financeira da empresa, o que os leva a tomar decisões mais embasadas.

Portanto, podemos dizer que o principal objetivo da Demonstração de Resultado de Exercício é apresentar se no período analisado houve lucro ou prejuízo.

Para tanto, devem ser analisadas todas as movimentações financeiras da empresa, o que permitirá saber os valores exatos das entradas e saídas, em quais produtos e situações ocorre a incidência de impostos e a margem de lucro daquele período.

Segundo a Lei 6.404 – art. 187, a estrutura de uma DRE deve conter:

“I – a receita bruta das vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos;

II – a receita líquida das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos e o lucro bruto;

III – as despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas, e outras despesas operacionais;

IV – o lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas; (Redação nova – Lei nº 11.941, de 2009)

V – o resultado do exercício antes do Imposto sobre a Renda e a provisão para o imposto;

VI – as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, mesmo na forma de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que não se caracterizem como despesa; (Redação nova – Lei nº 11.941, de 2009)

VII – o lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social.

  • 1º Na determinação do resultado do exercício serão computados:
  1. a) as receitas e os rendimentos ganhos no período, independentemente da sua realização em moeda; e
  2. b) os custos, despesas, encargos e perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas receitas e rendimentos.”

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC)

O último dos principais documentos da contabilidade financeira é o Demonstrativo de Fluxo de Caixa, ou DFC.

Ele apresenta todas as entradas e saídas que envolvem dados financeiros de uma empresa dentro de um período específico não apenas no caixa, mas também nas contas bancárias e nas aplicações e investimentos que tenham liquidez imediata.

Ou seja, é o documento que permite ao gestor analisar e avaliar como a empresa está economicamente.

No fim das contas, isso torna possível elaborar um planejamento financeiro mais robusto e adequado à sua realidade.

Dessa forma, o gestor se habilita a evitar que a empresa fique sem dinheiro em caixa ou “no vermelho”.

É uma postura que permite à empresa honrar todos os seus compromissos, além de avaliar as melhores aplicações e opções de investimento.

Obrigatória para diversos tipos de companhias, a DFC deve ser apresentada pelo menos uma vez ao ano, junto com os outros documentos e relatórios contábeis que fazem parte do balanço da empresa.

É por meio da Demonstração de Fluxo de Caixa que agentes externos e auditorias podem avaliar não apenas a saúde financeira da empresa, mas também identificar erros e possíveis fraudes contábeis.

Para tanto, a estrutura da DFC deve ser realizada em torno de três atividades principais:

  • Atividades operacionais: todo o movimento de recursos decorrentes da atividade principal da empresa – dados da DRE e do balanço patrimonial
  • Atividades de investimentos: uso de sobras de caixa em aplicações que tem o objetivo de obter benefícios futuros para a empresa
  • Atividades de financiamentos: uso de recursos emprestados de terceiros ou dos proprietários, devido à escassez de caixa.

Como a contabilidade financeira apoia a gestão de empresas

Mulher trabalhando com gráficos em um computador
Como a contabilidade financeira apoia a gestão de empresas

Ao longo deste artigo, foi possível perceber que a contabilidade financeira é uma ferramenta que permite deixar as finanças da empresa organizadas.

E isso é fundamental para qualquer organização que deseja otimizar suas atividades e melhorar seus resultados, não é mesmo?

É exatamente nesse sentido que a contabilidade financeira apoia a gestão de empresas.

Ela permite um maior controle financeiro, evitando o acúmulo de dívidas, agindo como uma ferramenta de apoio na tomada de decisões e, principalmente, buscando diferenciais competitivos, formas de otimizar os recursos e aumentar os lucros.

É por meio dos relatórios da contabilidade financeira que será possível mostrar aos seus potenciais parceiros e investidores os pontos fortes da sua empresa e o índice de lucratividade, além de passar a segurança que eles precisam para investir em seu projeto.

Mais do que isso, demonstra para o governo e para o mercado que a sua empresa é séria, atua dentro da lei e de forma transparente, o que melhora a imagem da organização perante o mercado.

Pensando no ambiente interno, mais especificamente na gestão da empresa, a contabilidade financeira possibilita uma análise mais assertiva dos custos da empresa.

É o que ajuda o gestor a identificar onde é preciso negociar e se os gastos estão dentro da sua realidade, assim como a realização de adaptações em investimentos ou uma melhor distribuição dos custos entre as áreas.

Além disso, também gera um maior embasamento no momento de realizar ou adequar o planejamento financeiro da empresa, já que traz dados concretos e sólidos sobre a situação do caixa.

Conclusão

Essencial para o bom andamento de qualquer empresa, além de ser uma obrigatoriedade legal, a contabilidade financeira, quando bem executada, pode ser um diferencial e trazer inúmeros benefícios para a sua empresa.

É importante saber que ela pode – e deve – atuar em conjunto com a contabilidade gerencial, uma vez que, por mais que soem semelhantes, ambas têm focos distintos.

Utilizar de forma correta os principais relatórios da contabilidade financeira é essencial.

O balanço patrimonial, o Demonstrativo de Resultado de Exercício (DRE) e o Demonstrativo de Fluxo de Caixa (DFC) trazem informações extremamente importantes para entender a saúde financeira da empresa e embasar a tomada de decisão à frente do negócio.

Com isso, os dados reunidos pela contabilidade financeira se tornam peças-chave para uma boa gestão.

Por meio de uma administração competente, é possível realocar recursos, realizar o planejamento financeiro, angariar investimentos e corrigir falhas.

Você já utiliza a contabilidade financeira na sua empresa? Se sim, conte nos comentários a sua experiência e como ela tem ajudado a sua organização!

Se você se interessou pelo assunto, que tal conhecer o curso de graduação da UPIS em Ciências Contábeis? Aproveite também para visitar o site e conhecer as opções de pós-graduação na área.

Caso tenha alguma dúvida, não deixe de entrar em contato conosco! Estamos à disposição para responder seus questionamentos!

Caso tenha gostado do conteúdo, aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *