Posted in:

Cross Docking: O que é e como implementar esse processo?

imagem com as palavras "cross docking" em destaque

Cross docking é uma estratégia não só moderna como valiosa para empresas diversas.

Trata-se de um processo logístico que se lança como aliado para companhias que possuem dificuldades em controlar os seus estoques.

Isso vale principalmente para aquelas que trabalham em espaços reduzidos ou possuem áreas pequenas para estocar produtos ou matérias-primas.

No atual mercado, em que os mínimos detalhes podem fazer a diferença no momento de atrair novos clientes ou fidelizar os antigos, utilizar estratégias que permitem otimizar os fluxos logísticos e ainda trazer ganhos financeiros podem ser um grande diferencial competitivo.

Nesse sentido, o cross docking surgiu como um modelo inovador, capaz de utilizar melhor os estoques, aumentar a agilidade na entrega e atuar diretamente na satisfação dos clientes.

Ficou interessado em entender um pouco mais sobre esse sistema?

Então, continue a leitura e descubra mais sobre os seus benefícios, como funciona e como implementá-lo em sua empresa.

O que é cross docking?

O cross docking é uma estratégia logística que consiste na distribuição de materiais no menor prazo possível.

Para tanto, as mercadorias são enviadas para um centro de distribuição, onde os itens são descarregados, separados e redistribuídos em cargas para serem entregues ao consumidor final.

A tradução literal da expressão para o português significa “cruzamento de docas”.

O nome pode soar estranho, mas não é difícil visualizar o movimento que dá origem a ele.

Representa uma saída logística na distribuição de mercadorias, onde o produto passa da doca de entrada direto para a de saída, sem ocupar espaço de armazenamento.

Ou seja, são eliminadas diversas etapas do processo de armazenagem, como a estocagem.

Considerado como um método inovador, o cross docking é derivado do sistema de administração just in time.

Isso significa que os produtos devem ser disponibilizados no momento em que são necessários.

A ideia por trás do cross docking é que o período de armazenagem seja extremamente curto ou, até mesmo, zerado.

Isso permite que os gestores consigam concentrar todos os seus esforços no controle do fluxo das mercadorias, em vez de se preocuparem com a sua estocagem e os gastos que isso acarreta.

Por esse motivo, o cross docking também é conhecido como distribuição em fluxo, distribuição flow through ou operação de tombo.

Para o que serve o cross docking?

O sistema cross docking tem como objetivo principal melhorar o controle e o processo de distribuição de produtos de uma empresa.

Ele é bastante utilizado por empresas de e-commerce, já que são negócios que costumam vender produtos já acabados de outros fornecedores.

Como já destacado, trata-se de um método no qual os itens recebidos em um centro de distribuição são enviados diretamente para o destino final, sem que haja a necessidade de estocagem.

Dessa forma, o cross docking serve para tornar mais ágil todo o processo de recebimento e distribuição de mercadorias.

Como funciona o sistema cross docking?

cross docking, Foto de um estoque, corredor, entre prateleiras altas com mercadorias
Como funciona o sistema cross docking?

Para entender o funcionamento do sistema cross docking, vamos pensar em um exemplo prático.

Então, imagine a operação de uma empresa supermercadista, um tipo de comércio que possui uma enorme variedade de produtos.

Para este exemplo, vamos considerar apenas cinco itens: leite, farinha de trigo, queijo, sal e azeite.

Cada um deles é entregue ou distribuído por um fornecedor específico. Além disso, leve em conta que a rede de supermercado possui 10 lojas.

Dessa forma, em seu centro de distribuição, chegam cinco caminhões – sendo um de cada fornecedor. Eles são direcionados ao que é chamado de “entrada”.

À medida em que as mercadorias são descarregadas, elas já são encaminhadas para os caminhões, que levarão os produtos para as lojas da rede.

Então, temos 10 veículos estacionados no lado chamado “saída” do centro de distribuição.

No momento em que os produtos são descarregados e movidos para os caminhões das lojas, essas mercadorias já são separadas nas quantidades certas, que serão enviadas para cada estabelecimento.

Ou seja, um processo bastante simples e ágil, o que agrega valor à operação.

Resumindo, então, o sistema de cross docking é composto pelas seguintes etapas:

  1. Fornecedores entregam os produtos no centro de distribuição
  2. Equipe realiza a separação e organização das mercadorias de acordo com os pedidos
  3. As cargas são acomodadas nos veículos que realizarão a entrega dos lotes para o consumidor final.

É importante destacar que, no cross docking, as mercadorias normalmente saem para entrega no mesmo dia em que chegam ao centro de distribuição.

Nesse caso, o espaço funciona apenas como uma área de transição, onde os itens permanecem por algumas horas.

Quais os tipos de cross docking?

cross docking, homem, em pé, com os braços cruzados, usando um capacete amarelo
Quais os tipos de cross docking?

Depois de entender o funcionamento do sistema, vale saber que não existe apenas um tipo de cross docking.

Obviamente, todos carregam as características que marcam o modelo, mas há detalhes específicos que se aplicam a negócios de diferentes perfis.

A seguir, vamos detalhar cada um deles. Confira!

Movimentação contínua

É o tipo mais tradicional de cross docking.

Aqui, o fornecedor, transportadora ou operador logístico recebe os produtos e já os envia para os destinatários, ou seja, é a forma mais eficiente de não ter estoque parado no centro de distribuição.

O sistema é muito utilizado por empresas de e-commerce.

Nesse tipo de cross docking, a ideia principal é a de movimentação contínua.

Você já sabe como funciona, mas não custa repetir: as mercadorias são enviadas pelo fornecedor para o CD da empresa. Tão logo elas são recebidas, já são separadas para o despacho para os clientes, fazendo com que a checagem e a separação tenham que ser ágeis e seguras.

Movimentação consolidada ou híbrida

Neste caso, há uma divisão: parte da mercadoria recebida já é separada para envio imediato e parte é direcionada para estoque.

Por esse motivo, a modalidade também recebe o nome de movimentação híbrida.

Aqui, o objetivo é poder combinar outros produtos que completam o pedido do cliente.

Ou seja, é o tipo de cross docking utilizado quando as mercadorias solicitadas não chegam todas no mesmo momento ao centro de distribuição.

Isso faz com que a empresa precise esperar o envio do que está faltando para formar a carga completa para a entrega.

Ela também é utilizada quando a empresa deseja aplicar o cross docking junto ao estoque dedicado.

Dessa forma, possui a liberdade de armazenar produtos que têm alto giro (baixo valor agregado) ou que geram menores custos de estocagem.

Movimento de distribuição

Este tipo de cross docking é muito utilizado entre empresas do formato Business to Business (B2B), que tem como clientes outras pessoas jurídicas.

Consiste em separar os pedidos de um único cliente para sair como carga fechada para transporte.

É também chamado de FTL, ou Full Truck Load – caminhão cheio -, que significa transportar um pedido que possua volume suficiente para preencher toda a capacidade do veículo.

Nesse caso, o centro de distribuição é utilizado para realizar a consolidação da carga que será transportada.

Qual a diferença entre cross docking e transit point?

Ao pesquisar por cross docking, é comum que você encontre também o termo transit point.

Muitas pessoas acreditam que esses dois modelos são iguais. Na verdade, eles são realmente bem parecidos, mas existem diferenças.

Assim como o cross docking, o transit point busca não manter estoques e é realizado de forma que atenda a determinadas áreas de mercado mais distantes dos armazéns centrais.

Ou seja, ele também opera como uma instalação de passagem para receber carregamentos consolidados e separá-los para que seja realizada a entrega local.

A grande diferença entre os dois modelos é que, enquanto o cross docking se caracteriza por envolver múltiplos fornecedores para atender a clientes comuns, o transit point já possui um cliente final individual e definido.

Assim, seus pedidos já estão pré-alocados aos clientes.

Isso quer dizer que, no caso do transit point, não existe a possibilidade de estoque e isso faz com que haja uma perda na variedade de produtos que possam existir em um mesmo pedido.

Quais os benefícios do cross docking?

cross docking, dois homens, em pé, com os braços cruzados, usando capacetes
Quais os benefícios do cross docking?

Ao longo do artigo, você já pôde perceber alguns dos benefícios do cross docking, como maior agilidade no transporte, possibilidade de trabalhar com estoques mínimos ou nulos, redução de tempo de processamento, entre outros.

Mas eles não param por aí.

A seguir, conheça as principais vantagens que o sistema cross docking pode trazer.

Agilidade na entrega

Como vimos, esse modelo permite que a carga que chega ao centro de distribuição já seja transferida para o veículo que realizará o transporte para o cliente.

Isso permite que a entrega seja muito mais ágil, uma vez que não há o armazenamento de produtos.

Além disso, o cross docking exige um controle de qualidade altíssimo na prestação de serviço, o que gera ainda mais eficiência na entrega, já que as falhas são bastante reduzidas.

Menor custo logístico

Como o produto não vira estoque na empresa, os custos com o manuseio são reduzidos.

O mesmo ocorre com as despesas com transporte, já que a carga dos fornecedores é reunida em um único lote e a distribuição otimizada para que possa atender uma região específica.

Além disso, por se tratar de um sistema mais enxuto, as operações são mais ágeis e os custos logísticos e operacionais se tornam menores.

Redução do capital de giro

Como os produtos só são adquiridos após a venda, o ciclo financeiro diminui, o giro de estoque aumenta e isso faz com que a sua empresa produza mais lucros e obtenha mais caixa.

Consequentemente, reduz o capital de giro e aumenta a liquidez financeira.

Sem a necessidade de estocagem, não há por que imobilizar o seu capital de giro. Ou seja, os seus recursos podem ser mais bem aproveitados

Estoque zero

O cross docking permite que a empresa possua o tão sonhado estoque zero, favorecendo a alocação de recursos e a redução de custos.

Com esse modelo, ela não precisa solicitar uma maior quantidade de produtos ao fornecedor, pois as mercadorias são compradas por demanda.

Nem produzir em grandes quantidades, pois elas são fabricadas apenas quando houver saída.

Os itens permanecem no centro de distribuição apenas para conferência, separação, preparação dos lotes e envio para os clientes.

Satisfação do cliente

Ao permitir uma entrega mais rápida e com menor possibilidade de erros, o cross docking aumenta a satisfação do cliente.

Isso permite, ainda, que esse consumidor seja mais fiel ao seu negócio e contribui para a construção de uma imagem positiva para a empresa perante o mercado.

Integração com parceiros

Para que o cross docking ocorra de maneira harmoniosa e com qualidade, o fluxo de informações entre todos os envolvidos deve ser transparente.

Nesse sentido, o modelo permite uma maior integração entre as partes, diminuindo burocracias e papeladas e um melhor gerenciamento dos materiais.

Isso significa dispor de uma rede de transporte eficiente, bons equipamentos, processos que ofereçam suporte ao fluxo logístico e equipe qualificada.

Cross docking em logística

O cross docking é um método logístico.

Nele, como já vimos, a empresa não precisa, necessariamente, armazenar os produtos em seu centro de distribuição.

O seu CD pode servir apenas como um ponto de apoio para o recebimento, a separação e o envio das mercadorias.

Com isso, podemos dizer que os processos internos são facilitados.

Então, o papel do gerente, coordenador ou responsável pela logística da empresa consiste em conferir a entrada dos produtos na doca, reconhecer possíveis divergências, coordenar a separação dos itens para os pedidos e controlar o andamento de todo o fluxo logístico.

Como implementar o cross docking em minha empresa?

homem, olhando para tela projetada, com os acrônimos ERP, CRM e HR.
Como implementar o cross docking em minha empresa?

Implementar o sistema de cross docking na empresa não é extremamente complexo, mas exige um planejamento bem feito.

As ações propostas devem funcionar de forma harmônica e em sincronia.

Para ajudar você nesse desafio, listamos alguns passos essenciais.

Confira!

1. Utilize um ERP que dê conta da operação

O Enterprise Resource Planning ou Sistema Integrado de Gestão Empresarial é extremamente estratégico nesse sentido.

Para que o cross docking funcione corretamente, a empresa precisa sincronizar o fluxo dos produtos e as informações internas dos fornecedores – o que é possível, justamente, ao contar com um bom ERP.

2. Capacite a equipe

Todos os colaboradores devem atuar de forma alinhada com o processo.

Para isso, é essencial capacitá-los para que possam realizar o trabalho de forma ágil e segura, prezando pela comunicação coordenada e eficaz com fornecedores, distribuidores e clientes.

3. Firme parcerias e crie laços com seus fornecedores

Também os fornecedores devem estar alinhados ao seu negócio e operação.

Por isso, formalize parcerias concretas, que garantam um estoque de segurança e formas rápida de reposição de produtos.

Também é importante ter um bom entrosamento com os fornecedores, para que a comunicação flua e a distribuição, circulação e entrega aconteçam da melhor forma e com menos ruídos.

4. Faça um projeto piloto

Antes de colocar toda a operação em atuação, realize projetos pilotos para testar o modelo e o tempo de resposta dos seus fornecedores.

É neste momento que você irá descobrir quais são os problemas que devem ser solucionados.

É uma forma de ter certeza de que o modelo funcionará corretamente e não prejudicará a imagem da sua empresa com seus consumidores.

5. Fortaleça os canais de atendimento ao cliente

Essa é uma área que deve estar preparada para atender às demandas dos consumidores.

Por isso, crie um SAC (Serviço de Atendimento do Cliente) para que seu cliente possa contar com você para sanar dúvidas e obter informações sobre a entrega de seus produtos.

6. Busque sempre melhorias

É sempre importante rever o seu modelo de cross docking e avaliar os pontos que podem ser melhorados.

Cabe destacar que esse é um sistema que se adapta de acordo com a evolução da empresa.

O que é um centro de cross docking avançado?

Um centro de cross docking avançado nada mais é do que um centro de distribuição menor, mas que está localizado em regiões mais próximas dos potenciais consumidores.

Apesar de não precisar de espaço de estocagem, o cross docking necessita de um local para realizar o trânsito e a transferência das mercadorias.

Ao possuir um centro de distribuição que fica mais perto de seus clientes, o cross docking acaba se tornando ainda mais eficiente, uma vez que as entregas acontecem com maior agilidade e rapidez.

Além disso, permite que seja realizada a consolidação de pequenas remessas, uma vez que poderá receber produtos de fornecedores locais de menor porte.

Conclusão

Entender o que é o cross docking e como ele funciona é o primeiro passo para avaliar se a metodologia pode trazer benefícios para a sua empresa.

Como vimos ao longo do artigo, esse sistema pode ser muito vantajoso, não apenas do ponto de vista financeiro, mas impactando processos com qualidade e transparência, além de favorecer o relacionamento com clientes e fornecedores.

Também permite um maior dinamismo à empresa, agilidade e economia em todos os seus fluxos logísticos.

Ou seja, são vantagens que abrangem os mais diversos públicos e áreas da empresa.

Aproveite o aprendizado para qualificar processos e se tornar um profissional ainda mais completo.

Nesse sentido, não deixe também de visitar o site da UPIS para conhecer todas as nossas opções de formação.

Se você gostou do artigo, compartilhe em suas redes sociais.

E se ainda tiver alguma dúvida, não deixe de entrar em contato conosco ou deixar seu comentário abaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *