Posted in:

Empreendedorismo: O Guia Completo para se Tornar um Empreendedor

Mulher sentada em uma mesa de escritório

O empreendedorismo faz parte do brasileiro.

Tanto é assim que, em uma década, o número de empreendedores triplicou por aqui.

Segundo a pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), de 2007 até 2017 houve um salto de 14,6 milhões para 49,3 milhões no período.

Isso significa que, cada vez mais, as pessoas querem ser seus próprios patrões.

E se você está aqui, talvez seja pelo mesmo motivo.

Ainda que não tenha na ideia de negócio próprio um dos objetivos profissionais, no mínimo, está a procura de maior flexibilidade e autonomia.

E é nesse momento que o empreendedorismo entra em campo.

Ele pode libertar você de restrições da cultura organizacional, permitir que tenha maior controle sobre sua vida profissional e pessoal, enfim, mudar as regras do jogo a seu favor.

Por isso, preparamos um guia completo para quem deseja saber mais sobre o empreendedorismo e, quem sabe, se tornar um empreendedor.

Ao longo do texto, vamos discutir o conceito de empreendedorismo, para que serve, o que é ser empreendedor, os principais tipos e, claro, dar dicas valiosas sobre como iniciar um negócio do zero e ser bem-sucedido.

Boa leitura!

O que é ser um empreendedor?

Empreendedor é alguém que inicia um negócio próprio, mas não apenas isso.

É também um visionário com talento para identificar oportunidades no mercado e que possui as habilidades necessárias para fazer delas um negócio lucrativo.

Um empreendedor é aquele que ataca por conta própria, optando por criar e administrar seu próprio negócio do zero ao invés de trabalhar como empregado, mesmo com todas as vantagens e desvantagens que essa escolha implica.

Em outras palavras, é alguém que desenvolve um modelo de negócio, adquire o capital físico e humano necessário para iniciar um novo empreendimento, o torna operacional e é responsável pelo seu sucesso ou fracasso.

O que é um empreendedor digital?

Basicamente, o empreendedor digital é aquele que utiliza qualquer canal que se vale da internet para criar um negócio novo e administrá-lo de forma completamente online.

Pode ser um site ou blog de nicho, uma loja virtual, um canal no YouTube, a oferta de cursos online ou de softwares como serviço.

O melhor de tudo é que, graças a popularização da internet e dos smartphones, ser um empreendedor digital nunca foi tão fácil.

Outro ponto positivo é que o acesso e alcance são muito maiores do que os oferecidos por uma empresa com sede física, como uma loja.

Se a solução que você disponibiliza está de acordo com as necessidades do seu público, pode atender pessoas de qualquer parte do planeta – desde que tenha os recursos para isso, é claro.

Quem foi o primeiro empreendedor brasileiro?

O gaúcho Irineu Evangelista de Souza, mais conhecido como Visconde de Mauá (1813-1899), foi um importante banqueiro da época do Brasil Império e é considerado o primeiro empreendedor brasileiro.

Inspirado em suas visitas à Inglaterra, ele acreditava que o progresso do país aconteceria através do processo de industrialização.

A mecanização e automação dos engenhos de açúcar e a construção da primeira estrada de ferro (Raiz da Serra – Petrópolis), para facilitar a escoamento dos produtos agrícolas até os portos, estão entre os seus principais feitos.

Na época, tínhamos um país majoritariamente agrário e em pleno período de escravatura.

Obviamente, não era de grande interesse do governo mudar as coisas.

Mesmo com a relação conturbada com o Império de Dom Pedro II e a elite agrária, o Barão de Mauá foi responsável pela ampliação e construção de diversas obras importantes para o país, ressaltando a sua sagacidade e as habilidades natas de empreendedorismo.

O que é e para que serve o empreendedorismo?

Empreendedorismo é o ato de criar, construir e redimensionar um negócio para gerar lucro.

Uma definição mais contemporânea envolve um empreendedor que age também para transformar o mundo, oferecendo soluções para grandes problemas.

Seja resolvendo uma situação contra a qual muitos lutam a cada dia, unindo as pessoas de uma maneira que ninguém tenha feito antes ou criando algo revolucionário e inovador que avance a sociedade, todos os empreendedores têm um ponto em comum: a ação.

Pense em como Bill Gates, Steve Jobs ou Larry Page e Sergey Brin (co-fundadores do Google) transformaram a sociedade com suas ideias.

É para isso que o empreendedorismo serve: para a execução de ideias.

Significa planejar, colocar e tirar a proposta do papel, concretizar a ideia em algo real e apresentar uma nova solução que gere uma mudança de vida.

Quem cunhou o termo de empreendedorismo?

Tanto o termo empreendedorismo quanto empreendedor derivam da língua francesa.

O termo empreendedorismo vem do verbo “Entreprendre”, que significa “começar algo; empreender”.

Já “empreendedor” deriva da palavra francesa “entrepeneur”, cunhada pelo economista Jean-Baptiste Say, ainda no século XVII, para identificar uma pessoa que assumia os riscos de começar algo novo.

Apesar do conceito de empreendedor como um administrador econômico ganhar mais destaque após a industrialização, não podemos negar que a visão empreendedora faz parte do nosso cotidiano há muito tempo.

Por exemplo, ao fabricar ferramentas de pedra lascada para a caça e pesca, nossos antepassados já mostravam um visão empreendedora para melhorar a vida em sociedade.

O que é preciso para ser um empreendedor digital?

Empreendedorismo, Duas mulheres olhando para o celular
O que é preciso para ser um empreendedor digital?

Contar com um computador, smartphone e internet, ter uma ideia inovadora, criar o produto ou serviço e comercializá-lo em uma plataforma.

Parece o roteiro certo para empreender no digital, certo? Errado!

Apesar de fazer parte do processo, esses não devem ser os primeiros passos para começar a empreender no mundo virtual.

Partir direto para a venda pode até gerar um falso retorno financeiro, mas se você está iniciando do zero e quer tirar o máximo proveito do seu negócio, antes, é preciso pensar em três aspectos fundamentais:

  • Autoridade
  • Audiência
  • Relacionamento.

São aspectos intrinsecamente relacionados entre si.

Quer ver só?

A partir do momento em que você constrói sua autoridade, principalmente através de uma estratégia de marketing, você consegue um bom posicionamento no mercado.

Consequentemente, vai conquistando uma audiência.

O próximo passo, então, é construir o relacionamento com essa audiência.

É com base nisso que o empreendedor consegue descobrir quais os objetivos e necessidades do público.

Depois disso, então, é chegada a hora de moldar o seu produto para que atenda a essa demanda e tenha sucesso com seu negócio online.

Quais são os tipos de empreendedores?

O universo do empreendedorismo oferece um leque de negócios e ideias que podem ser trabalhadas.

Dessa forma, vários tipos de empreendedores surgem no mercado.

Para facilitar sua compreensão, classificamos os principais tipos de empreendedores abaixo:

Corporativo

O empreendedorismo corporativo busca identificar oportunidades, criar e desenvolver soluções e ações voltadas para dentro da própria empresa e com foco na lucrabilidade.

Sua essência está na inovação do mercado, seja pela otimização de processos, lançamento de uma nova linha de produtos ou a exploração de um novo nicho de mercado.

Apple, Google, Samsung e Microsoft são exemplos claros desse tipo de empreendedorismo.

Social

Como o nome sugere, nesse modelo, o empreendedor cria produtos e serviços para resolver necessidades e problemas sociais.

Seu objetivo é tornar o mundo um lugar melhor, investir na qualidade de vida e acesso a recursos básicos e, não gerar lucros ou adquirir riqueza.

Iniciativas como Criança Esperança, Projeto Tamar, Instituto Chapada e Gerando Falcões são exemplos de empreendedorismo social.

Individual

Esse é o tipo mais comum de empreendedorismo.

O objetivo é a criação de novos negócios e empresas por empreendedores individuais, que podem tanto ser informais quanto formais.

O empreendedorismo informal é praticado sem um CNPJ ou emissão de nota fiscal, como no caso de barracas de rua, por exemplo.

Mas o empreendedor pode formalizar seu negócio e se tornar ou um Microempreendedor Individual (MEI), Empresário Individual (EI) ou Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI).

Salões de beleza, mercearias, eletricistas, carpinteiros, encanadores e consultores: todos são exemplos de empreendedores individuais.

Franqueado

Esse tipo de empreendedorismo é caracterizado por um modelo de negócio pronto e marca consolidada.

Cabe ao empreendedor, portanto, aplicá-lo no seu contexto.

Escolas de idiomas, restaurantes e empresas de fast-food são exemplos comuns que encontramos no mercado.

Como ser um empreendedor?

Casal olhando para um tablet
Como ser um empreendedor?

Gostaríamos de dizer que existe uma fórmula mágica para isso e voilá: temos um empreendedor de sucesso.

Infelizmente, essa não é a realidade.

Para começar, é preciso ter visão empreendedora, uma ideia ou um conceito potencialmente novo que possa alcançar sucesso em mercado já saturado e mudar as regras do jogo.

É assim que você começa a atrair a atenção dos investidores e do público-alvo.

Em seguida, existem características e habilidades necessárias para iniciar e manter um negócio saudável, dentre elas:

  • Criatividade
  • Iniciativa
  • Pensamento estratégico
  • Desenvolvimento de negócios
  • Atendimento ao cliente
  • Liderança
  • Autoconfiança
  • Capacidade de adaptação
  • Foco e determinação
  • Aprendizado contínuo.

O caminho para se tornar um empreendedor pode variar para cada um, mas existem atalhos que podem ser seguidos por todos.

Em primeiro lugar, você precisa definir quais características e habilidades possui e quais precisa aperfeiçoar.

Basicamente, esse é o momento de autorreflexão, de identificar seus pontos fortes e fracos.

A Análise SWOT é uma ferramenta interessante para essa análise.

Vale também fazer uma série de perguntas:

  • Quais são as minhas qualidades?
  • Como usá-las a meu favor?
  • Consigo lidar com incertezas e a ansiedade?
  • Sou capaz de assumir riscos?
  • E se der algo errado, como vou reagir?

Em segundo lugar, é preciso definir metas de curto, médio e longo prazo.

Mas nada de escolher metas impossíveis para não se sobrecarregar.

É essencial que suas metas sejam específicas, realistas e mensuráveis – o que atende ao conceito de Metas SMART, outra ferramenta de auxílio ao empreendedor.

Afinal, você precisa saber se está caminhando na direção certa.

Também é um desafio a ser vencido o desenvolvimento de técnicas que estimulem sua criatividade, como anotar sempre suas ideias, mesmo que pareçam bobas e fora de contexto, além de consumir cultura e arte e promover brainstorming com a equipe e parceiros.

Outro ponto importante é encontrar um mentor.

Pode ser um empreendedor mais experiente, o qual, além de servir como inspiração, pode passar exemplos que vão ajudar na tomada de decisões importantes.

Existem ainda instituições especializadas que podem ajudar, como o Sebrae – sobre o qual vamos falar antes de concluir o artigo.

E a dica final é: não perca o foco.

O segredo de muitos empreendedores bem-sucedidos é se manter fiel ao seu propósito e trabalhar incansavelmente para que ele seja realizado.

Quais são os fatores que motivam um empreendedor?

Empreendedorismo, Mulher segurando um tablet
Quais são os fatores que motivam um empreendedor?

Sabemos que ninguém é igual e que a motivação é algo subjetivo.

Ainda assim, podemos afirmar que a maioria dos empreendedores é estimulada por um ou mais dos seguintes fatores:

1. Autonomia

Quem quer ser empreendedor, quer ser seu próprio patrão. Isso é fato!

Esse é um perfil que deseja estabelecer seus próprios objetivos, controlar seu progresso e administrar seu negócio da maneira que julgar adequada.

Apesar de reconhecer que o sucesso ou fracasso de seus negócios depende dele próprio, a sensação de autonomia sobrepõe o fardo dessa responsabilidade quase que naturalmente.

2. Propósito

Muitos empreendedores têm uma visão clara do que desejam alcançar e a sagacidade para fazer com que isso aconteça.

Primeiro porque acreditam piamente que têm em mãos um produto ou serviço que preenche um vazio no mercado e, a partir daí, trabalham para lapidar a ideia.

Segundo porque um verdadeiro empreendedor abomina a estagnação.

Ele prefere falhar, mas dar um passo a mais do que definhar na inatividade.

3. Sucesso financeiro

É claro que há empreendedores seduzidos pela possibilidade de ganhar uma bolada de dinheiro criando a próxima grande inovação do mercado.

Entretanto, é importante embarcar nessa jornada reconhecendo que é pouco provável que se tornem milionários da noite para o dia – a não ser, claro, que realmente criem um produto ou serviço totalmente novo e que rompa o status quo.

4. Flexibilidade

É em busca de um melhor equilíbrio entre trabalho e vida pessoal que muitas pessoas se inserem no empreendedorismo.

Elas buscam se libertar das restrições da cultura corporativa e encontrar maneiras não tão convencionais de trabalhar.

Mas isso não significa que empreendedores trabalham menos.

Especialmente nos estágios iniciais de um negócio, eles costumam trabalhar mais horas e com um nível de dificuldade ainda maior.

Por outro lado, como trabalham de maneira natural e instintiva, essa carga horária extra acaba não se tornando um fardo.

5. Legado

Empreendedores geralmente são guiados pelo desejo de criar algo que supere o que já existe.

Alguns são liderados puramente pelo ego e por um desejo de notoriedade, mas outros desejam deixar um legado para a sociedade.

E isso pode acontecer, basicamente, de três formas:

  • Criando uma marca que tenha longevidade e se torne uma instituição
  • Passando uma fonte de renda e segurança para seus herdeiros
  • Deixando uma inovação que melhore a vida das pessoas de maneira tangível e de forma duradoura.

O que é ter uma visão empreendedora?

 

Ter uma visão empreendedora reflete tudo aquilo que vimos até agora.

Ela é o cerne do empreendedorismo e significa identificar oportunidades e brechas no mercado para, a partir daí, gerar empreendimentos com produtos e soluções inovadores e que ofereçam uma solução melhor para a demanda identificada no público.

Em outras palavras, ela é fundamental para o sucesso de um novo negócio.

Por que é importante estudar sobre o empreendedorismo?

Empreendedorismo, Mulher trabalhando com notebook em uma mesa
Por que é importante estudar sobre o empreendedorismo?

Como já destacado, os empreendedores abominam ficar parados e possuem uma grande força de iniciativa e liderança.

Dessa forma, estudar sobre o empreendedorismo deve fazer parte da evolução de cada um constantemente, em especial quando esse conhecimento garante:

  • Desenvolvimento do empreendedor: cursos, workshops, palestras e até mesmo networking com empreendedores mais experientes ampliam a visão de negócio e o pensamento estratégico, contribuindo para o sucesso de suas ações
  • Atualização: graças à globalização, o mercado está em constante evolução. Logo, é preciso estar ligado nas tendências, nos avanços tecnológicos, no surgimento de novos nichos e em maneiras mais eficazes de gerir um negócio
  • Menos inatividade: estagnação e comodismo não combinam com empreendedores. Por isso, investir na capacitação dos colaboradores em todos os níveis e criar uma cultura organizacional diferenciada evita a inatividade e estimula o crescimento contínuo do negócio.

O que é o Sebrae e qual seu papel?

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), criado em 1972, é uma instituição privada sem fins lucrativos.

Seu papel principal é servir como um agente de capacitação e de promoção do desenvolvimento de negócios.

Através das suas soluções, como serviços de consultoria, cursos, publicações e premiações, a instituição oferece auxílio profissional e busca incentivar o crescimento dos negócios de empresários e microempreendedores que vão à sua procura.

O Sebrae atende vários setores (indústria, comércio, serviços e agronegócio), indo desde pessoas que querem abrir o primeiro negócio até aqueles que buscam formalizar suas atividades de maneira mais eficiente.

Vale ressaltar que a instituição não atua com empréstimo de dinheiro.

O que seus profissionais fazem é orientar sobre quais linhas de crédito estão disponíveis e quais se encaixam melhor nas necessidades de cada tipo de negócio.

Então, se você quer iniciar seu próprio negócio e não sabe por onde começar, tenha o Sebrae como um aliado, encontre alguma unidade perto de você e solicite orientação.

Conclusão

Neste artigo, aprofundamos o conhecimento sobre o conceito de empreendedorismo, o que é e o que precisa para ser um empreendedor.

Vimos também que a arte de empreender vai além criar um negócio puramente para o lucro e, assim, muitos empreendedores se comprometem tanto com suas ideias que constroem um império para resolver problemas corriqueiros.

Então, se você deseja deixar sua marca no mundo, resolver um grande problema ou promover a sociedade, considere o empreendedorismo como pontapé inicial.

Tudo que você precisa é ter boas ideias e agir de acordo com elas.

Agora, aproveite para visitar o site da UPIS e encontrar sua próxima formação. Se desejar, faça contato conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *