Posted in:

O que é geografia e o que ela estuda? Saiba toda sua história

Mapa com bússola em cima

O que é geografia para você? Mapas, relevo, topografia, vegetações, climas?

Sim, tudo isso faz parte dessa área de estudos, mas ela é bem mais ampla.

Além de representar uma das matérias mais antigas do mundo, a geografia possui diversas vertentes.

Os aspectos físicos estão muito presentes, mas a abordagem também considera questões sociais e humanas em suas investigações.

Se você deseja aprofundar conhecimentos nessa área, não deixe de acompanhar o artigo até o final.

A partir de agora, vamos explicar o que é geografia, falar da sua história, das principais áreas estudadas e de sua relação com outros campos importantes.

Boa leitura!

O que é geografia e o que ela estuda?

 

A geografia é uma ciência que estuda a superfície terrestre e a relação dela com seus habitantes.

Ela busca compreender como e onde vivem os homens, as plantas e os animais, os fenômenos climáticos, as formações terrestres, os recursos hídricos e as cidades.

Para tanto, estuda não apenas o relevo terrestre e seus aspectos físicos, mas também o espaço geográfico.

É todo o espaço terrestre que tenha relação direta ou indireta com o homem ou que tenha sido produzido por ele.

Ou seja, a geografia estuda as sociedades urbana e rural, o uso e a apropriação dos recursos disponíveis no globo e as dinâmicas naturais.

Além disso, busca compreender a dinâmica das atividades humanas sobre o espaço terrestre, como demografia, desenvolvimento urbano, crescimento econômico e atividade rural.

Para tais estudos, trabalha em conjunto com outras áreas do conhecimento, como química, geologia, matemática, história, física, astronomia, antropologia, biologia e ecologia.

Por meio da troca de conhecimentos, consegue aprofundar estudos sobre o espaço terrestre em suas vertentes física, biológica e humana.

Como surgiu a geografia?

A geografia já acompanha o homem desde os primórdios da sociedade, mas seu nome surgiu pela primeira vez na Grécia Antiga.

No começo, ela era chamada de história natural ou filosofia natural.

Mas foi o filósofo Eratóstenes de Cirene quem utilizou pela primeira vez o nome geografia e a expressão pensamento geográfico.

Então, como você já deve imaginar, esse é um nome que vem do grego:

  • Geo – significa Terra
  • Graphos – significa escrever

Ou seja, geografia representa o estudo científico da superfície terrestre.

No século IV a.C., os gregos já utilizavam seus conhecimentos para observar o planeta como um todo.

E foi por meio de estudos filosóficos e observações astronômicas que Aristóteles conceituou a Terra como uma esfera.

Mas foi Estrabão que se destacou no que diz respeito à Geografia.

Tido como pai da geografia regional, ele escreveu uma obra de 17 volumes, denominada Geographicae, em que descrevia suas experiências do mundo.

Após os gregos, a área passou por diversas fases.

Houve o período das grandes navegações, por exemplo, no qual se ampliou o espaço terrestre conhecido.

Outros grandes nomes da história também se destacaram.

A geografia social foi pesquisada por Goethe, Kant e Montesquieu, que desejavam estabelecer uma relação entre o homem e o meio ambiente.

Foi a partir daí que surgiram a geografia antropológica e a geografia política.

Mas foi no século XIX, na Alemanha, que aconteceu o primeiro passo para que a geografia se tornasse uma ciência.

Nessa época, Alexander Von Humboldt e Carl Ritter deram início à sistematização da geografia, o que foi seguido por diversas escolas.

A escola alemã apresentou o Determinismo, que dizia que o clima era capaz de estimular a força e o desenvolvimento intelectual das pessoas.

Ou seja, segundo a teoria, as populações das zonas temperadas do planeta seriam mais desenvolvidas que as das zonas quentes e tropicais.

Nos anos 30, a escola francesa lançou o Possibilismo.

Essa teoria dizia que o desenvolvimento das pessoas poderia ser determinado pelo seu ambiente físico.

Mais recentemente, nos anos 60, a estatística passou a ser utilizada como um recurso de apoio na geografia.

Isso fez com que ela fosse vista como um estudo mais científico e passou a ser melhor aceita como disciplina.

Nas décadas seguintes, o surgimento do computador e dos satélites trouxeram novas vertentes para a geografia, dando ainda mais importância para o seu estudo.

A cartografia e a geografia

Mulher apontando local no mapa
A cartografia e a geografia

Todos nós, em algum momento da vida, já tivemos contato com a cartografia. Seja na escola, por meio de um livro, pela televisão.

Quem nunca viu um mapa? Ou, até mesmo, desenhou um?

A cartografia é a ciência que realiza a concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.

Claro que o mapa que você desenhou quando criança não era exatamente um mapa cartográfico, mas foi um primeiro contato com essa área.

O mapa é a representação de um território, de uma superfície, e pode trazer diversas informações que nos ajudam a nos localizar em qualquer parte do planeta.

Mas a cartografia vai além disso.

Desde os primórdios, o homem sentiu a necessidade de representar o espaço em que vivia de alguma forma.

Um exemplo disso são as pinturas rupestres.

Elas podem ser tidas como os primeiros mapas produzidos, pois representavam caminhos e lugares, delimitavam territórios e também transmitiam informações para as gerações futuras.

É por meio da produção de mapas que a cartografia apresenta informações e conceitos espaciais importantes, como localização, densidade, distribuição, escala e distância.

Atualmente, a cartografia chegou à era tecnológica e utiliza recursos como fotografias aéreas, sensoriamento remoto por satélite e computadores de última geração para realizar cálculos e criar mapas mais precisos.

Além disso, é de interesse da cartografia toda representação do espaço para fins de navegação, como o GPS, as aerofotografias, os globos terrestres etc.

Ela é essencial para o ensino da geografia, principalmente da geografia física – como veremos um pouco mais para frente.

Utilizada não apenas para a representação física da superfície terrestre, a cartografia também ilustra a realidade social, econômica, histórica e cultural das populações.

Ela está envolvida no uso da terra, no manejo florestal, na previsão do tempo, na construção de estradas, no estudo sobre as riquezas minerais e, até mesmo, na resposta a emergências.

A cartografia contribui não apenas para o entendimento e a análise de mapas, mas também ajuda no desenvolvimento de capacidades relativas à representação do espaço.

Para que serve a geografia?

Muito mais do que apenas mapas e conhecimento sobre relevo, vegetação e clima, a geografia é uma área de estudo extremamente ampla.

Ela tem como principal objetivo entender a dinâmica do espaço para conseguir auxiliar as ações do homem sobre ele.

Ou seja, busca compreender como o relevo e suas formas, os fenômenos climáticos, a fauna e a flora, as composições sociais, o manejo agrícola, a localização no espaço e os hábitos humanos se relacionam e interagem para a manutenção da vida e do planeta.

A geografia serve ainda para a realização de estudos de temas como segregação espacial, processo de favelização, a evolução da violência e da marginalidade, que auxiliam no planejamento social.

Além de abranger áreas como política, meio ambiente, agropecuária, astronomia, turismo, saúde, cultura e economia.

O que é geografia física?

Elefantes andando no deserto
O que é geografia física?

A geografia física é a área que estuda todos os componentes do meio natural, como geomorfologia, climatologia, hidrologia, pedologia e biogeografia.

É ela que investiga o relevo terrestre, a intervenção humana sobre ele, os rios e a vegetação.

Essa disciplina baseia-se em cinco grandes áreas:

  • Litosfera: camada rochosa da terra
  • Hidrosfera: os cursos d’água
  • Atmosfera: o clima e seus efeitos
  • Biosfera: as vegetações e a distribuição dos seres vivos (fauna e flora)
  • Pedosfera: camada mais externa da terra que é composta pelo solo e está sujeita aos seus processos de formação (ela existe a partir da interação das outras quatro áreas).

Também faz parte dos estudos da geografia física o sistema de planejamento ambiental, agrário e urbano.

O que é relevo na geografia?

O relevo é parte importante dentro do estudo da geografia, pois está diretamente relacionado com a organização e uso dos espaços geográficos.

Ele representa, basicamente, o modelo da superfície terrestre.

Ou seja, mostra quais são as formas que o solo assume devido aos agentes internos (conhecidos como endógenos) e os externos (chamados de exógenos).

Entende-se por relevo a parte superficial da litosfera nas quais ocorrem as transformações geológicas.

É a base de várias das paisagens que vemos pelo globo, pois influencia diretamente no clima e, consequentemente, até mesmo no tipo de vegetação que cada espaço terá.

Dentre os tipos de relevo existentes na superfície terrestre, podemos destacar quatro principais:

  • Montanhas: formas que apresentam elevações e altitudes superiores em comparação com regiões imediatamente vizinhas. São geologicamente recentes e possuem forma mais acidentada
  • Planaltos: são elevações de relevo com extensão mais ampla e parte mais alta relativamente plana. Em geral, possuem altitudes medianas e são classificadas de acordo com a composição predominante de suas rochas – planaltos cristalinos, planaltos sedimentares e planaltos basálticos
  • Planícies: áreas mais planas, com menor altitude. Caracterizam-se por terem uma grande quantidade de sedimentos acumulados em sua superfície
  • Depressões: regiões que possuem altitudes inferiores ao relevo em seu entorno ou ao nível do mar. Costumam ser regiões geologicamente antigas e que sofreram grandes ações de erosão e sedimentação.

O estudo do relevo é de grande importância para geografia, pois ele é um elemento que influencia diretamente na distribuição populacional e na organização e ocupação do espaço geográfico.

Para tanto, uma das áreas da geografia que estuda especificamente o relevo é a geomorfologia, que também é um ramo da geologia.

Quais ramos mais utilizam a geografia?

Pessoas em reunião sentadas em uma mesa
Quais ramos mais utilizam a geografia?

Como você pôde comprovar até aqui, a geografia é mesmo uma área extremamente ampla.

Por esse motivo, pode ser aplicada em diversos segmentos profissionais, seja acadêmico ou no mercado em geral.

Vamos conhecer agora os principais.

Geopolítica

Por ser uma área que estuda a relação do ser humano com o meio em que vive, um dos ramos que mais utiliza a geografia é a geopolítica.

Nela, o profissional de geografia atua dentro de empresas e órgãos públicos com pesquisa e aconselhamento sobre o ambiente, a população e a relação da empresa com a comunidade e outras organizações.

É uma área que lida com assuntos internacionais, nacionais ou regionais.

Ecoturismo

Outro ramo no qual a geografia está muito presente é o ecoturismo.

É por meio dela que o profissional consegue construir roteiros de turismo ecológico, atuar como guia em passeios e escaladas e, até mesmo, ensinar sobre a preservação da natureza.

Planejamento agrícola

O planejamento agrícola também é muito beneficiado pela geografia.

Profissionais que atuam nesse ramo estudam sobre relevo e solo voltado para o planejamento e a projeção de plantações e criações.

Além disso, eles aprendem sobre as necessidades de cada população e região para plantar o que estiver em escassez ou que for de grande utilidade.

Planejamento urbano

Com o planejamento urbano, não é diferente.

Em conjunto com arquitetos e engenheiros, os urbanistas atuam no planejamento das cidades levando em consideração o local, relevo, vegetação e outros fatores ambientais.

Além disso, o profissional que atua com planejamento territorial, ambiental e urbano é contratado por empresas e órgãos públicos para realizar a análise ambiental e emitir laudos para projeto de ocupação em solo urbano.

Transportes

O geógrafo também pode atuar no ramo da geografia de transportes.

Nessa área, ele é o responsável por planejar sistemas de transporte e de trânsito em cidades e municípios, buscando garantir a mobilidade, a sustentabilidade e a inclusão social.

Geomarketing

Outro ramo que tem se destacado é o de geomarketing.

Essa área é muito utilizada por empreendedores quando estão pensando em abrir um negócio ou expandir.

Ela estuda os dados socioeconômicos de uma área específica e as informações comportamentais dos clientes e os transforma em mapas.

Tudo isso para que o empresário possa tomar uma decisão embasada em dados reais.

Outros ramos

Com o desenvolvimento tecnológico e o mundo digital, a geografia também passou a atuar em outros ramos profissionais, a exemplo de:

  • Cartografia digital: elaboração de mapas a partir de dados geográficos recebidos por meio de imagens de satélites
  • Sensoriamento remoto: levantamento de dados sobre relevo, recursos hídricos, clima, vegetação, densidade e ocupação para a elaboração de mapas para empresas ou órgãos públicos
  • Geoprocessamento: criação de bancos de dados geográficos e mapas a partir do uso de programas e softwares específicos.

Como a geografia é importante para a engenharia?

Você sabia que existem especialidades dentro da engenharia que estudam e executam trabalhos na área da geografia?

São atividades relacionadas com topografia, sistemas de informação geográfica, hidrografia, cartografia, geodésia, fotogrametria e cadastro.

Por isso, é comum encontrar profissionais especializados em:

  • Engenharia Geoespacial: criação e desenvolvimento de sistemas de posicionamento e navegação, sistemas espaciais e aéreos de aquisição de dados e de informação geoespacial. Também análise de dados espaciais, modelação e visualização de dados 3D e representação e disponibilização de mapas digitais
  • Engenharia de Agrimensura: estudo dos tamanhos de espaços territoriais (agrícolas e urbanos) por meio de equipamentos e cálculos que auxiliam desde o planejamento até a conclusão de diversos tipos de obras
  • Engenharia Cartográfica: captação e análise de dados geográficos para elaboração de mapas, utilizando tecnologias modernas para estudar os fatores geográficos, a descrição de objetos e a ocorrência de fenômenos na superfície terrestre
  • Engenharia Topográfica: planejamento e realização de trabalhos topográficos, execução e escavação de obras, cálculo de volumes de aterro, implantação e manutenção de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) e realização de trabalhos de fotogrametria
  • Engenharia Hídrica: cuida da exploração, do uso e da gestão dos recursos hídricos. Realiza o planejamento e orienta sobre a utilização das águas de bacias hidrográficas, buscando prevenir impactos decorrentes de atividades industriais, agrícolas e urbanas. Também atua na operação de reservatórios e planejamento dos recursos hídricos.

A geografia na construção em áreas montanhosas

Gráfico topográfico de montanhas
A geografia na construção em áreas montanhosas

A construção em áreas montanhosas costuma envolver riscos diversos, pois são espaços mais vulneráveis a mudanças climáticas e instabilidade geológica.

Mas isso não reduz a importância de  tais espaços.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), ambientes de montanha são base direta do sustento de 12% da população mundial.

Eles ocupam um quarto da superfície terrestre, são ricos em fauna e flora e abrigam nascentes da maior parte dos grandes rios.

Por todos esses motivos, a construção em áreas montanhosas requer um planejamento extremamente detalhado.

Deve ser realizado um estudo geotécnico criterioso das características do solo, o tipo de terreno, se há passagem de água, os desníveis existentes, escoamento e outras informações relevantes.

Tudo isso buscando garantir a estabilidade e a rigidez da base para que seja realizada uma construção sem que haja risco de desabamento ou deslizamento.

A geografia agrária

A ciência que estuda o campo e as diversas relações existentes – sociais, econômicas e ambientais – no desenvolvimento da agricultura é conhecida como geografia agrária.

Seu objetivo é coletar informações sobre o meio rural, de forma a ajudar a entender esse ambiente e suas complexidades.

Também viabiliza o estudo dos impactos causados pela ação humana, as mudanças na vegetação, a ocupação do espaço e outros aspectos que influenciam na atividade agrária.

A geografia agrária trabalha ainda com as condições sociais e fundiárias do campo.

Ou seja, pesquisa e reflete sobre a situação das terras, dos produtores rurais, avalia o perfil dos moradores de cada região e estuda o êxodo rural.

Podemos dizer, então, que a geografia agrária é o ramo que estuda as questões relacionadas ao cultivo da terra, à utilização das técnicas agrícolas, à situação dos produtores rurais e ao equilíbrio entre produção e meio ambiente.

O que é geografia ambiental?

globo mapa-múndi de vidro na grama
O que é geografia ambiental?

A geografia ambiental é uma das áreas de estudo da geografia que foca, principalmente, na ação do homem sobre a natureza.

Tida como um dos mais recentes ramos da geografia física, seus estudos abrangem as mudanças climáticas, o aumento do nível dos oceanos, o desmatamento, os processos de desertificação, a poluição dos cursos d’água e outros efeitos da atividade humana no meio ambiente.

Para tanto, ela requer atuação interdisciplinar, na qual estudantes e profissionais deve buscar conhecimentos tanto da geografia física, quanto da humana.

Seu surgimento se deu principalmente devido à globalização e às novas tecnologias, pois elas têm afetado a relação do homem com o meio ambiente e suas atividades.

Por isso, a geografia ambiental enfatiza seus estudos não apenas na degradação e nos impactos ambientais, mas também em soluções para a sua conservação.

Algumas áreas de pesquisa em geografia ambiental são: administração de emergência, gestão ambiental, sustentabilidade e ecologia política.

Conclusão

Neste artigo, falamos sobre o que é geografia, uma ciência presente nos mais diversos ramos do conhecimento.

Ela engloba desde o estudo dos aspectos físicos da superfície terrestre, passando pelas questões ambientais e chegando a fatores sociais e políticos.

Muito presente na engenharia, a geografia é base de estudo para várias especialidades profissionais e de grande importância quando o assunto é construção em áreas montanhosas.

Tida como uma das mais antigas áreas do conhecimento, ela tem acompanhado a evolução da sociedade e se desenvolvido ao longo do tempo.

Com as novas tecnologias e equipamentos digitais, a geografia se tornou essencial em nosso dia a dia.

Quem nunca precisou usar o GPS para encontrar um endereço? Ou se beneficiou de algum aplicativo de mobilidade urbana?

Como vimos, a geografia é uma ciência que está mais presente em nossas vidas do que podemos imaginar.

Como ela tem ajudado em sua rotina? Compartilhe a sua experiência com a geografia nos comentários.

E aproveite para compartilhar este artigo nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *