Posted in:

O que é turismo: conheça os 6 tipos, a profissão e o que estuda

mapa, e brinquedos relacionados a viagens

O que é turismo senão aquela sensação boa estar de férias em um lugar diferente, cheio de possibilidades?

Vamos combinar: é difícil achar quem não esteja sempre sonhando com a próxima viagem, mesmo que ela não tenha data ou local definidos para acontecer.

Aliás, a experiência proporcionada por relaxantes e ao mesmo tempo intensos dias de turismo é tão boa que há quem opte por transformar esse tipo de lazer em profissão.

Mas, diferentemente do que muita gente pode imaginar, o profissional da área faz muito mais do que viajar por aí – ainda que isso seja um bônus e tanto a se considerar.

Já imaginou fazer do turismo a sua carreira?

Então, acompanhe este artigo e conheça um pouco mais sobre a área.

Ao longo da leitura, vamos explicar como é o curso de graduação em turismo e todas as possibilidades que esse universo pode oferecer para o futuro profissional.

O que é turismo?

Em termos de conceito, o turismo pode ser definido como o conjunto de atividades que realizamos durante uma viagem.

Ou seja, em um local diferente daquele que compõe o nosso entorno habitual.

Na prática, isso pode significar até mesmo descobrir espaços da sua própria cidade que você normalmente não visitaria.

Na maior parte das vezes, trata-se de uma atividade de lazer, ainda que também possa estar vinculada a negócios.

Em séculos passados, a ideia de viajar estava intimamente ligada ao comércio, à busca por riquezas e ao desejo por expandir territórios.

Para as classes privilegiadas, a ida aos chamados centros representava também descanso e cuidado com a saúde.

Foi só a partir dos anos de 1950, no entanto, que o turismo se transformou em um verdadeiro fenômeno entre a classe média de países desenvolvidos.

Com o avanço da atividade, promovido pela evolução nos transportes e pelo crescimento econômico, os países em desenvolvimento também passaram a viver o sonho de viajar e conhecer o mundo.

Hoje, “fazer turismo” é descobrir novos lugares e o que eles têm a oferecer, conhecendo a cultural local e buscando experiências únicas, que não poderiam ser vivenciadas em outros destinos.

Os viajantes querem conforto, organização e também a possibilidade de viver, mesmo que por poucos dias, como um nativo.

E é nesse cenário que se encaixa a figura do bacharel em Turismo – conhecido ainda como turismólogo.

Quais os tipos de turismo?

O que é turismo, Objetos relacionados a viagens em um mini globo terrestre
Quais os tipos de turismo?

Depois de ver o quão complexo o conceito de turismo pode ser, não é nenhuma surpresa perceber que ele pode ser dividido em inúmeros nichos.

Cada um deles com foco bastante específico no perfil de viajante e no que ele busca em seu roteiro.

Vamos conhecer alguns?

1. Turismo cultural

Talvez um dos mais procurados e conhecidos, esse tipo de turismo é aquele que tem como foco conhecer a história e a cultura de um lugar.

Aqui, o contato com os nativos e tudo aquilo que é particular da região visitada são aspectos bem importantes.

Isso pode incluir desde o consumo da gastronomia típica até a visita a museus, catedrais, monumentos e sítios arqueológicos, para citar apenas alguns exemplos.

Se você é o tipo de pessoa que não perde a chance de conhecer o centro histórico de uma cidade e sempre arruma um tempo para visitar o mercado público local, certamente, o turismo cultural tem tudo a ver com o seu tipo de viagem.

2. Turismo rural

Uma tendência crescente, o turismo rural valoriza a vida simples do campo e tudo o que ela pode oferecer.

É uma pausa na rotina agitada das cidades e também, para muitas pessoas, uma forma de voltar às origens.

Afinal de contas, quem é que não gosta de acordar com aquele cheirinho de café recém-coado ou do pão ainda quentinho?

Normalmente, esse tipo de turismo é acessado a partir de sítios ou fazendas que se especializaram em receber visitantes e em oferecer uma experiência típica, na qual o contato com a natureza e com os animais é muito valorizado.

Um das vantagens costuma ser a possibilidade de experimentar – e depois também levar para casa – produtos típicos da zona rural, produzidos em pequena escala e de forma artesanal.

Com isso, os visitantes ajudam a fortalecer a economia local e as famílias que dela dependem.

Uma bela combinação, não é mesmo?

3. Turismo ecológico

Estar em contato íntimo com a natureza, ao mesmo tempo em que se pensa em sua preservação e equilíbrio.

Esse é o princípio básico do turismo ecológico, conhecido ainda como ecoturismo, que ressalta a importância e as belezas naturais, reforçando o ideal de conservação.

A ideia é interferir tão pouco quanto for possível no espaço observado, seja visitando cachoeiras, rios e lagos ou fazendo trilhas pela mata fechada.

No Brasil, essa é uma modalidade que tem crescido bastante, sobretudo a partir da ideia de sair do comum e descobrir novos pontos de turismo até então pouco conhecidos pela maioria da população.

Alguns exemplos em alta são o Jalapão, em Tocantins, e os Lençóis Maranhenses, no Maranhão.

Com paisagens deslumbrantes, ambos exigem dos turistas uma série de cuidados durante a visitação. Tudo com o objetivo de evitar prejuízos ao meio ambiente.

4. Turismo internacional

Sonho de cada vez mais pessoas, o turismo internacional traz em seu conceito a ideia de sair do país de origem com destino a outro.

Se, antes, um de seus principais empecilhos era a dificuldade de acesso ao transporte aéreo, hoje, isso já é uma realidade.

Para os brasileiros, destinos como Argentina, Chile e Uruguai, no próprio continente sul-americano, ou Espanha, França, Portugal e Itália, na Europa, estão entre os preferidos.

Uma das principais diferenças, na maioria dos casos, é a necessidade de passaporte e até mesmo de visto, a exemplo do que ocorre para aqueles que desejam ir aos Estados Unidos, mesmo que seja para uma rápida visita a pontos turísticos, como a Disney.

O turismo em outros países é, sobretudo, uma chance de conhecer culturas e idiomas diferentes.

No caso da Europa, as opções se multiplicam, sobretudo pela facilidade de se deslocar de um país para o outro em pouco tempo, tanto de trem quanto de avião, a partir das chamadas companhias low cost.

5. Turismo sustentável

Confundido por muitos com o ecoturismo, o turismo sustentável é um conceito que pode ser aplicado a qualquer tipo de viagem.

A confusão costuma ocorrer justamente pela proximidade do ecoturismo com a ideia de preservação e de baixo impacto.

Fazer turismo de maneira sustentável é, nesse sentido, uma maneira de pensar como a presença do viajante impacta a realidade local, independentemente de qual seja o destino – mesmo os urbanos.

Ou seja, estamos falando de pensar em um consumo consciente, de valorizar o que é local e de não se esquecer de todos os princípios da sustentabilidade durante a viagem.

Afinal, não é porque o momento é de férias que os bons hábitos devam ser deixados de lado.

A definição utilizada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio), que é responsável no Brasil pela proteção de áreas preservadas, ajuda a entender melhor qual é a proposta do turismo sustentável.

É atender, de maneira simultânea, as necessidades dos turistas e das comunidades receptoras, protegendo e ampliando as oportunidades para o futuro.

Ou seja, é pensar no gerenciamento de todos os recursos implicados na atividade turística, garantindo que as necessidades naturais, sociais, culturais e econômicas sejam mantidas em constante equilíbrio.

6. Turismo de massa

Sabe aquele período em que o verão chega e todo mundo só quer saber de férias ou de um final de semana de praia?

Não há definição melhor para entender o turismo de massa. Nesse caso, o resultado quase sempre é orla lotada e muito engarrafamento.

Esse também é um tipo de turismo bastante comum em locais que se tornaram conhecidos mundialmente e que costumam, muitas vezes, receber mais turistas do que poderiam suportar.

Para evitar a degradação de áreas naturais e mesmo a insatisfação de moradores locais com o fluxo contínuo e até mesmo predatório de visitantes, muitos desses lugares já têm adotado medidas contra esse modelo de visitação.

O caso mais icônico talvez seja o de Machu Picchu, no Peru.

Desde o início do ano, é necessária a compra de ingressos com horários específicos de visitação.

Além disso, o circuito tem uma limitação de quatro horas de permanência na cidade perdida dos Incas.

O que é gestão de turismo?

O que é turismo, Duas mãos apontando locais em um mapa
O que é gestão de turismo?

De acordo com dados do Ministério do Turismo, em 2018, o Brasil recebeu 6,6 milhões de turistas, a maior parte deles da América do Sul (61,2%) e da Europa (22,1%). Em média, cada um desses viajantes gastou R$ 197,18 por dia.

O número, que pode até parecer baixo quando analisado isoladamente, tem um impacto importante na economia brasileira.

Em 2018, o setor rendeu US$ 152,5 bilhões ao país, o equivalente a 8,1% do produto interno bruto (PIB).

Todos esses dados só reforçam a importância de uma gestão eficiente na área, capaz de desenvolver atrativos e oferecer soluções completas.

A gestão de turismo, afinal de contas, nada mais é do que um processo que envolve pensar todo o universo que engloba a atividade turística.

Isso significa projetar desde o local, seus atrativos e estrutura, até ações para atrair o público e gerar uma experiência positiva.

Trata-se de um trabalho complexo, que exige muito planejamento.

Por trás dele, existem muitos profissionais envolvidos, todos eles liderados pelo gestor ou gerente de turismo.

O perfil ideal, no entanto, depende muito do tipo de serviço em que o profissional atua.

Ele pode ser, por exemplo, o responsável por implantar projetos que permitam o desenvolvimento do turismo local. Assim, atrai cada vez mais pessoas para conhecer os pontos disponíveis na cidade.

Também pode ser o responsável por coordenar as atividades de pousadas, hotéis, resorts, empresas de transportes, agências de viagens e até mesmo de eventos.

Em qualquer uma delas, precisa sempre pensar em oferecer o máximo de segurança para os turistas, sem deixar de lado a construção de uma experiência única, pensada em detalhes.

Tudo isso faz dessa uma profissão desafiadora – e, talvez justamente por isso, cheia de atrativos e igualmente promissora.

Turismo como profissão

Bolsa em uma plataforma de embarque de trem de ferro
Turismo como profissão

O que descrevemos até aqui parece ter tudo a ver com você?

Então, vamos a algumas informações específicas sobre a profissão e as principais características do mercado de trabalho na área.

O que faz o profissional de turismo?

O profissional de turismo planeja, organiza e promove.

Não importa se estamos falando de viagens, eventos ou atividades de lazer e de negócios.

Também pode ser responsável por vender passagens e fazer reservas em hotéis.

De outra forma, é capaz ainda de produzir levantamentos culturais e socioeconômicos relacionados ao turismo.

Como alguém que conhece os hábitos de quem viaja, também é capaz de identificar oportunidades de exploração turística e ajudar a definir o perfil de turismo de uma cidade.

Como dá para perceber, não é tarefa fácil definir o que faz um turismólogo, já que as atividades são as mais variadas e dependem muito do cargo ocupado ou mesmo da carreira que o profissional deseja trilhar.

O certo é que uma formação abrangente é necessária: componentes dos campos social, político, cultural e também econômico precisam fazer parte dos conhecimentos de quem deseja seguir na área.

Ou seja, estamos falando de muito mais do que simples lazer ou organizar as férias.

Habilidades e conhecimentos

Para dar conta de tudo isso, algumas habilidades básicas precisam ser aprimoradas.

Entre elas, a comunicação e senso de organização. Afinal, é necessário garantir que tudo esteja sempre compreendido e em ordem.

Saber trabalhar em equipe também é fundamental – o que significa ser capaz de manter boas relações interpessoais.

Ter boas noções de contabilidade e saber organizar orçamentos são outras características que certamente facilitam, e muito, a vida de um bacharel em Turismo.

Por fim, mas não menos importante: saber falar uma segunda ou até mesmo uma terceira língua é um grande diferencial.

Se você deseja atuar no Brasil, por exemplo, inglês e espanhol são dois idiomas mandatórios e vão fazer parte do dia a dia como profissional.

E ainda que muitas pessoas confundam, vale dizer: turismólogo e guia de turismo são duas profissões distintas.

O segundo é responsável por acompanhar e orientar turistas durante viagens.

Ele realiza roteiros e compartilha as informações sobre a história e as características de cada lugar.

Salário

Por serem muitas as possibilidades de atuação, é normal que o retorno financeiro também varie bastante.

De acordo com informações do site Glassdoor, a média salarial do turismólogo é de R$ 2.775.

Já o site Trabalha Brasil traz dados mais segmentados e mostra que o valor começa perto dos R$ 2.000 (trainee) e pode chegar a quase R$ 5.000 (master), considerando empresas de grande porte.

Para quem sonha em atuar como gerente ou coordenador de turismo, no entanto, os valores podem ser bem mais atrativos.

O trainee de uma grande empresa começa na faixa salarial dos R$ 4.000 e pode alcançar R$ 11.000 quando se tornar master.

Estudo do turismo

Jovem, segurando um mini globo terrestre e um passaporte
Estudo do turismo

Para se tornar um profissional competitivo e pronto para absorver as demandas e oportunidades do mercado de trabalho, buscar a melhor formação é fundamental.

Com a evolução alcançada pelo turismo brasileiro ao longo das últimas décadas, os avanços foram muitos.

Por outro lado, ainda há inúmeras possibilidades a serem exploradas, sempre com foco no equilíbrio entre a realidade social e econômica, o impacto ambiental e a chance de oferecer momentos únicos ao público.

É por isso que na UPIS – Faculdades Integradas os alunos são incentivados a manter o espírito empreendedor, sempre de olho nos temas emergentes da área.

Isso, é claro, sem deixar de lado a parte prática.

Entre o segundo e o quarto semestres, as turmas são instigadas a realizar inúmeras saídas de campo, percorrendo diferentes regiões brasileiras.

Tudo isso facilita o desenvolvimento de um perfil com capacidade estratégica e gerencial, capaz de superar os desafios necessários para que o turismo nacional se torne cada vez mais competitivo e atraente para viajantes de outras partes do mundo.

O curso é noturno e soma três anos e meio de formação, em um total de 2.670 horas/aula.

Entre as disciplinas, você vai encontrar tópicos como:

  • Formação cultural brasileira
  • Desenvolvimento sustentável e ecoturismo
  • Marketing em turismo e hospitalidade
  • Estatística
  • Gestão de eventos
  • Etiqueta, cerimonial e protocolo
  • Turismo internacional
  • Turismo regional
  • Relações internacionais.

Quer saber mais? Acesse o nosso site ou entre em contato pelo telefone (61) 3445-6767.

Conclusão

Neste artigo, além de entender melhor o que é turismo e o impacto gerado por essa área, você viu que essa pode ser uma opção de carreira.

O Brasil é um país rico em diversidade natural e cultural, com belas paisagens e patrimônio histórico recheado de atrativos.

No entanto, apenas parte desse potencial é explorado.

São muitos os locais que ainda carecem de investimentos e da presença de equipes qualificadas em gestão de turismo.

Esses elementos fazem do turismólogo um profissional indispensável. Trata-se de uma área que ainda pode crescer muito.

Que tal investir no seu futuro?

A UPIS está aqui para dar todo o suporte, oferecendo ensino de qualidade que cabe no seu bolso.

Visite o site para conhecer o curso de graduação em Turismo.

Se restou alguma dúvida, deixe um comentário ou faça contato conosco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *