Posted in:

PDV: Como esse sistema auxilia a produtividade de seu negócio?

Mulher, usando um avental, trabalhando em um balcão de loja

Quem atua no varejo, atacado ou atacarejo já deve ter ouvido falar da sigla PDV com, pelo menos, dois significados diferentes.

De fato, poucos termos são tão abrangentes e, ao mesmo tempo, tão exatos ao se referir a objetos distintos.

E se até para quem trabalha no comércio é difícil definir o ponto de venda de apenas uma forma, imagine para quem não é do ramo?

Para complicar um pouco mais, cada uma dessas definições tem lá a sua razão de ser.

A mais abrangente delas, por exemplo, diz que o PDV é o local em que o comerciante expõe suas mercadorias para venda direta ao consumidor final.

Alguém discordaria disso? Certamente não.

Por isso, entendemos que o mais importante não é concordar ou não com o real significado do termo PDV.

Para você, que trabalha ou pretende trabalhar com vendas, cada uma das definições correntes sobre ponto de venda pode ser tomada como verdade.

Sendo assim, é mais produtivo adotá-las e orientar o negócio conforme suas diferentes aplicações.

Parece confuso? Nem tanto, se abordarmos as vendas por uma perspectiva mais ampla.

É disso que trataremos neste artigo, feito para você que quer extrair os melhores resultados do seu precioso ponto de venda, seja ele a loja inteira ou apenas o caixa.

Vamos em frente?

Quais os significados de PDV?

Como boa parte dos conceitos de marketing e vendas utilizados no Brasil, as primeiras definições de PDV são tiradas dos seus correspondentes em inglês.

Afinal, vem de países como Inglaterra e Estados Unidos os conceitos elementares dessas especialidades tal como conhecemos hoje.

Embora o grande impulso inicial, consensualmente, tenha sido a prensa tipográfica do alemão Gutenberg, no século XV, o fato é que as principais escolas de negócios do mundo falam inglês.

Sendo assim, tudo começa com a propagação dos termos Point of Sale (POS) ou Point of Purchase (POP).

Talvez venha daí a confusão, afinal, se traduzirmos literalmente, ambos terão significados quase idênticos em português.

Contudo, se estudarmos um pouco essas duas expressões, veremos que, no idioma mais falado do mundo, elas de fato significam coisas distintas.

Para encurtar: Point of Sale equivale ao local onde o cliente faz o pagamento por uma mercadoria que ele escolhe no Point of Purchase.

Logo, enquanto o primeiro se refere ao caixa propriamente dito, o segundo remete à loja como um todo, junto com suas prateleiras e gôndolas.

Faz sentido para você?

De qual tipo de PDV falaremos neste texto?

Considerando que, no contexto brasileiro, a ideia que se faz de PDV se refere a ambas as siglas conhecidas em inglês, é preciso tomar essa dualidade como ponto de partida.

Para nós, é como se uma sigla só servisse para definir duas coisas distintas, mas que se complementam.

Uma loja não pode existir sem o caixa, e um caixa sem uma loja não tem razão de ser, concorda?

Assim sendo, pedimos que você tente contextualizar o uso de PDV.

Ao longo deste artigo, ele será usado para se referir tanto à loja quanto ao caixa onde os clientes pagam pelas mercadorias.

Você vai ver que, na verdade, não é um problema esse sentido duplo atribuído à sigla.

Reforçamos que o mais importante é entender a sua aplicação em diferentes contextos.

No final, vamos comprovar que tudo não passa de uma simples questão de nomenclatura.

O que é PDV e para que serve?

Para começar, podemos dizer que a finalidade de um ponto de venda é a materialização da atividade comercial.

Em outras palavras, PDV é onde as vendas são consumadas, revertendo em receitas para quem vende e em valor para quem compra.

Veja bem: até mesmo uma tenda rústica onde um simples vendedor ambulante expõe frutas pode ser compreendido como um PDV.

Nesse sentido, não há diferença entre uma loja da Prada e uma barraquinha em uma feira livre.

Ambos são PDVs em sua essência, ou seja, locais em que mercadorias permanecem expostas para a venda ao consumidor final.

O mesmo vale para as lojas virtuais, que também são pontos de venda.

E se estivermos tratando de produtos mais sofisticados, vendidos normalmente para públicos muito seletos ou para outras empresas?

Por exemplo, uma companhia aérea, ao renovar sua frota de aviões, vai a um PDV ver aeronaves expostas?

Sim, afinal, aviões não deixam de ser mercadorias como qualquer outra. A diferença é que o processo de compra exige muito mais envolvimento.

A propósito, a título de curiosidade, vale destacar que a fábrica da Boeing figura no Livro dos Recordes como o maior prédio do mundo em volume.

Sendo assim, fica a pergunta: será que esse também pode ser considerado o maior PDV do mundo?

O que é PDV no caixa?

PDV, homem mostrando um carro para um casal, em uma loja de carros
O que é PDV no caixa?

Saindo um pouco do gigantismo dos aviões, passamos para uma outra concepção de PDV.

Estamos falando agora do Point of Sales, o local em que todos nós somos obrigados a passar sempre que fazemos uma compra em loja física.

Ele pode até parecer menos importante em uma avaliação imediata, não?

Afinal, se um cliente já chegou à frente de caixa (outra forma de se referir ao PDV), é porque todo o esforço de vendas está finalizado.

Se você pensa assim, então, sugerimos que reveja imediatamente seus conceitos.

Isso porque, se há um lugar em que o atendimento ao cliente precisa ser ainda mais excelente é no POS.

Imagine, por exemplo, que você percorreu uma loja em busca de um modelo de tênis que não encontrava em parte alguma.

Nesse percurso, recebeu toda a atenção de um solícito vendedor, que teve toda a boa vontade de ir e voltar ao estoque tantas vezes quanto necessário em busca do seu número.

Bacana, não? Quem não gosta, afinal, de receber atenção?

Pois pense agora que, depois de todo esse cuidado, você chega ao caixa e é atendido por um operador mau humorado e sem paciência. Qual a impressão que fica?

Então, é exatamente aí que está a importância do PDV quando tomado como a frente de caixa.

Ele é crucial e totalmente decisivo para que o seu cliente saia da loja com a melhor imagem possível do estabelecimento.

Um descuido nesse importante setor, e seus esforços de marketing e vendas podem ser arruinados irremediavelmente.

Por isso, cuide bem do seu caixa e faça dele o local onde seus clientes vão se sentir ainda mais valorizados.

Como funciona o sistema PDV?

PDV, Imagem com a palavra "point of sale" em destaque
Como funciona o sistema PDV?

Um olhar um pouco mais atento à frente de caixa nos permite perceber facilmente que ele é composto pelo operador e equipamentos com os quais é feito o registro da venda.

Esse aparato, por sua vez, é chamado de sistema PDV.

É por seu intermédio que as vendas são finalizadas, revertendo em receitas para a loja, impostos para o governo e outros pagamentos, em um conjunto de operações conhecido como retaguarda.

Um sistema PDV serve para guiar o operador ao longo do processo de fechamento de uma venda.

É nele que as suas mercadorias devem ser registradas para posterior baixa em estoque.

Portanto, ele deve ser integrado a outros sistemas, com ênfase para os contábeis, de estoque e de compras.

Deve contar, ainda, com ligação à web e telefone, para fazer a comunicação com operadoras de cartão e bancos em tempo real na retaguarda do caixa.

Esse é o processo no qual uma venda é legitimada e onde bancos a instituições financeiras checam se o comprador tem fundos para pagar pela mercadoria ou crédito para tanto.

Assim sendo, um sistema PDV precisa contar com cadastros que permitam ao operador de caixa concluir uma venda com sucesso.

São eles:

  • Estoque
  • Vendedores
  • Fornecedores
  • Insumos e itens de consumo próprio (ex: papel para impressora)
  • Mercadorias
  • Alíquotas fiscais
  • Sistema de retaguarda.

O que é PDV fiscal?

Responda rápido: o que toda venda na qual seja emitida uma nota fiscal tem em comum?

Se a sua resposta foi impostos, então, certamente você já tem um bom nível de conhecimento sobre PDV.

Por isso, tem uma ideia do seu significado quando nos referimos a ele pelo termo PDV fiscal.

Ele serve para designar a forma como o ponto de venda é especificado em cada nota emitida.

Afinal, como vimos, até mesmo uma gigantesca fábrica de aviões pode ser um PDV.

Considerando a infindável variedade de tipos de POS, é preciso detalhar na nota fiscal o tipo de PDV em que a venda foi realizada.

Simples, não?

O que faz uma frente de caixa?

Por outro lado, um PDV não se opera sozinho.

Embora já existam redes de lojas e supermercados em que o cliente pode fazer o pagamento pelas suas compras de forma automática, a presença humana ainda é fundamental.

Em primeiro lugar, porque nem todos têm discernimento ou mesmo condições físicas ou intelectuais para utilizar máquinas para pagamento de compras automáticas.

Além disso, há quem prefira o atendimento “em pessoa”.

Afinal, se houver algum problema ou dúvida a ser esclarecida, certamente, um ser humano pode entender mais facilmente e resolver com agilidade.

E por falar nisso, talvez seja essa a grande função de um operador na frente de caixa, garantir a rapidez necessária dos processos que levam à conclusão de uma venda.

Tudo isso, claro, sem descuidar da simpatia e observando as regras de ouro para um bom atendimento:

  • Ser sempre solícito e educado
  • Não apressar o cliente
  • Buscar soluções mesmo que não as tenha imediatamente
  • Sorrir sempre que possível.

O que é ECF ou PDV na nota fiscal?

Homem trabalhando com um tablet e um notebook
O que é ECF ou PDV na nota fiscal?

Já o Emissor de Cupom Fiscal (ECF) consiste no equipamento usado para automatizar a emissão de documentos fiscais e controlar os valores destinados aos impostos, como o ICMS ou ISS.

É comum confundi-lo apenas com a maquininha de pagamentos, no entanto, o ECF pode ser “desmembrado” em três partes.

  • Terminal Ponto de Venda: equipamento em que são reunidos o sistema equivalente a um ECF-IF e o computador utilizado para seu controle
  • Impressora Fiscal: funciona como uma impressora comum, portanto, deve ser acoplado a um computador
  • Máquina Registradora do tipo ECF-MR: equipamento independente, que conta com teclado e mostrador próprios, ou seja, não precisa de computador para ser operado.

O que é operar PDV?

Um operador de um ponto de venda poderia ser até comparado, respeitadas as diferenças, a um maestro regendo uma orquestra.

No lugar dos músicos, entram os vendedores.

No lugar dos instrumentos musicais, entram os equipamentos para Emissão de Cupom Fiscal.

Em vez da energia para conduzir a apresentação, entram as técnicas para um bom atendimento, além, é claro, do carisma pessoal.

Um maestro que não rege bem a sua orquestra fará com que os músicos se percam, tirando o brilho do espetáculo.

Já um operador de PDV que não conduz bem todas as operações de frente de caixa e de retaguarda fará com que o cliente saia insatisfeito da loja.

Não parece uma analogia adequada?

O que é um cupom fiscal eletrônico?

O SPED, Sistema Público de Escrituração Digital, foi criado pelo governo para receber as informações contábeis e fiscais das empresas, reunindo e integrando processos como a própria emissão de notas.

Dessa forma, converteu tudo do papel para o digital.

Isso inclui a emissão de uma das versões de uma nota fiscal, no caso, destinada ao consumidor final e sem valor para o fisco, o cupom fiscal eletrônico.

Sabe aquela notinha em papel que o equipamento de impressão emite a cada venda? Então, ela tem também a sua versão eletrônica.

Um cupom fiscal desse tipo funciona como um espelho digital do documento fiscal resumido que vai para as mãos de cada cliente.

Ele serve, portanto, para futuras consultas pela internet e comprova que a versão física tem legitimidade.

Afinal, o que vale mesmo é a versão digital da NF-e, em formato XML.

No Brasil, excetuando-se os estados de Santa Catarina, São Paulo e Minas Gerais, todos contam com o mesmo padrão de cupom fiscal.

O que significa extrato no cupom fiscal?

Por sua vez, o extrato no cupom fiscal serve como uma “certidão de nascimento” para cada nota emitida pelo SAT, o Sistema Autenticador e Transmissor de Notas Fiscais.

Não é difícil identificá-lo em uma NF-e, já que, geralmente, trata-se de um conjunto de cerca de 6 números precedidos pela palavra “extrato”.

O que é o SAT?

Já o SAT consiste em um sistema que também tem um número de registro próprio.

Dessa forma, o Fisco pode monitorar e controlar as notas emitidas com muito mais precisão.

Perceba que, em alguns casos, é possível que uma nota fiscal de produtos semelhantes gere dúvidas a respeito de quem as emitiu.

Por isso, é importante identificar também o número do sistema pelo qual os documentos fiscais “ganham vida”.

O que é NFC de nota fiscal?

Que não se confunda o cupom fiscal eletrônico com um outro tipo de documento fiscal bastante usado pelos varejistas, a NFC-e.

A diferença principal é que a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica veio para substituir as antigas notas modelo 2.

O maior avanço trazido por esse documento é que ele passou a ser gerado em dois tempos simultâneos.

Ou melhor, a NFC-e tornou possível para as respectivas Secretarias de Fazenda (Sefaz) acessá-las na mesma hora de sua emissão.

Dessa forma, os órgãos tributários locais ganham um importante mecanismo para monitorar as atividades de seus contribuintes.

Por exemplo, se um determinado estabelecimento emite uma certa quantidade de notas por mês e, de repente, essa quantidade cai, então, é possível que haja algo errado.

Para as empresas, a NFC-e também é um avanço, já que aboliu as antigas e caras impressoras fiscais.

De quebra, reduziu a burocracia, pois abre os registros da Sefaz para consultas por documentos emitidos.

Como implementar um PDV em meu negócio?

Um homem e uma mulher trabalhando com planilhas
Como implementar um PDV em meu negócio?

A formação de um PDV deve ser muito bem estudada.

Como vimos até agora, é nele que clientes entram em contato direto com os vendedores.

A qualidade desse contato, em última análise, é que vai determinar a impressão que cada comprador vai levar de um ponto de venda e, por extensão, da sua marca.

Para acertar em cheio, vale se apoiar em um material do Sebrae, no qual são listados 16 pontos fundamentais para a implementação de um PDV:

8 pontos para a sua estratégia

  1. Conheça o perfil do consumidor que pretende alcançar
  2. Determine os produtos que serão vendidos (procure manter uma linha, evite surpresas)
  3. Confira se o contrato, o prazo do aluguel e as condições de pagamento são viáveis
  4. Certifique-se de que os preços e sua margem de lucro garantem o retorno do seu investimento, considerando o prazo de retorno e o movimento de clientes esperado
  5. Garanta um local de fácil acesso, com boa visibilidade e, se possível, livre de ruídos e do tráfego
  6. Garanta boas condições de higiene e de segurança, até para ficar livre da fiscalização da Anvisa
  7. Verifique o quão próximos estão seus concorrentes e, se possível evite-os
  8. Procure um local que seja de fácil acesso para fornecedores e para futuros colaboradores.

8 pontos de ordem prática/operacional

  1. Não deixe de conferir e checar se o local cumpre com os requisitos dos órgãos de controle como Prefeitura, Corpo de Bombeiros e Vigilância Sanitária
  2. Pesquise! Considere mais de uma alternativa de pontos para assim poder comparar e definir o melhor lugar possível
  3. Não deixe de comparar também o movimento de pessoas em cada um dos locais estudados em dias e horas distintos
  4. Faça uma pesquisa informal junto às pessoas da região para saber quanto custam os imóveis no local. O custo-benefício pode surpreender para o bem ou para o mal
  5. Garanta a infraestrutura em serviços de luz, água, internet e telefone – e se são de fato acessíveis
  6. Dê preferência para pontos que contem com vagas de estacionamento, próprio ou nas redondezas
  7. Prefira o lado da rua onde a sombra bata à tarde, quando o movimento tende a ser maior, preferindo, também lojas no nível da rua e sem recuo, para ter mais visibilidade
  8. Em shoppings, prefira pontos “colados” à entrada principal, à praça de alimentação, às escadas rolantes ou junto às lojas-âncora dos shoppings.

Conclusão

Então, está pronto para tornar seu PDV uma verdadeira máquina de vendas e de fidelização de clientes?

Sim, porque, além de vender, um ponto de venda é essencial para que compradores recorrentes continuem voltando.

Procure dar a todos os seus clientes, não importa se sejam de primeira viagem ou antigos, a mesma atenção na hora do atendimento.

Coloque as dicas que você aprendeu aqui em prática e as chances de sucesso certamente aumentarão.

E se tiver alguma dúvida, deixe um comentário!

Aproveite ainda para visitar o site da UPIS e conhecer todas as opções de curso, seja graduação, pós-graduação ou extensão.

Investir na sua formação é uma excelente estratégia para alcançar resultados ainda melhores.

Se desejar, faça contato conosco.

2 Comments

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *